Dia da Família: o desafio de construir uma sociedade melhor

O Instituto Família Barrichello celebra nesta sexta-feira, dia 15 de maio, o Dia Internacional da Família, consolidado em 1993 pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas e que já está enraizado em nosso DNA. A data representa uma oportunidade para refletir sobre as famílias e ampliar discussões relacionadas aos processos sociais, econômicos e demográficos que as afetam. No cenário atual, com a pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), além da homenagem, as reflexões são cada vez mais necessárias.

“Pensar na família é algo fundamental nesse momento de isolamento social, porque as pessoas estão em suas casas e as famílias estão mais próximas, especialmente diante de uma situação de vulnerabilidade. Essa relação é desafiadora, pois as pessoas, de forma individual, são diferentes. Nesse momento de pandemia, sobretudo nas periferias, onde temos o contexto de pessoas vivendo em um ou dois cômodos, ou ainda várias famílias na mesma casa, é grande o volume de concentração, onde cada um tem o seu papel e sua função”, disse William Boudakian, diretor executivo do Instituto Família Barrichello.

As funções citadas representam a rotina e os ritmos de vida que são ‘quebrados’ com o isolamento social. Essa situação gera uma preocupação relacionada, principalmente, com as famílias mais pobres. “O desafio que a gente tem é entender que essas famílias têm uma grande possibilidade de adoecer, no ponto de vista mental. No caso das famílias mais pobres, onde a vida já é mais difícil, você tem um volume grande de pessoas que não está vivendo seu papel: crianças não vão para a escola, adultos não estão trabalhando. A família sofre com tudo isso”, afirmou William.

O Instituto Família Barrichello suspendeu, no dia 17 de março, as atividades de atendimento direto em todos os seus projetos com crianças, adolescentes e idosos. Estamos monitorando diariamente as decisões dos órgãos competentes, visando a proteção da população. Assim, houve a necessidade de adaptar o trabalho e, dessa forma, os meios digitais e redes sociais se transformaram em nossos maiores aliados, onde divulgamos uma série de atividades que podem ser realizadas em casa, visando o fortalecimento do sistema imunológico. Para elaborar as ações, a família é nossa prioridade, uma vez que entendemos a assistência social como um direito.

Diosino e Lidioneti assistindo as videoaulas e praticando em casa.

“Toda a assistência social, inclusive como política pública, é pensada na dinâmica da matricialidade familiar. Se a família é assistida e se a família está estruturada, é ela que vai dar o suporte e vai prover tanto o apoio emocional, quanto financeiro, além do apoio às necessidades básicas. A família é nosso princípio de atuação”, explicou o diretor executivo. “O Instituto Família Barrichello carrega a ‘família’ no próprio nome, em nossa identidade, e isso é inspirado no Rubinho, independente de a gente ter um trabalho conectado com a assistência social”, destacou William, que reforçou o papel fundamental do fundador.

“O Rubinho é o nosso fundador e traz uma biografia na qual conseguiu conquistar o que conquistou porque teve uma família estruturada. Essa sempre foi uma preocupação nossa, de entender que a família é a base da nossa sociedade. No Instituto, é o nosso DNA. A gente entende que todos têm seu contexto familiar. Pensamos em nosso público dentro desse contexto e o desafio é construir, através da família, uma sociedade melhor. Durante a pandemia, a crença que temos é reforçada. Nossas equipes estão trabalhando, mesmo à distância, para dar esse suporte”, completou.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp