5 lições do basquete para além das quatro linhas

O basquete é uma ferramenta poderosa para a educação e para o desenvolvimento humano. Conheça as lições que a modalidade desenvolve nas crianças e adolescentes.

Não é de hoje que reforçamos que os benefícios do esporte vão além do bem-estar físico. Aqui no Instituto Família Barrichello cuidamos do desenvolvimento de crianças e adolescentes por intermédio da atividade física e da diversão. Fortalecemos os valores humanos e familiares, competências pessoais, a boa convivência em grupo, o desenvolvimento físico-motor e melhor aplicação escolar.

O basquete, por exemplo, é um esporte que desenvolve aspectos cognitivos, afetivos, socioemocionais e táticos. O educador Reinaldo Almeida, do projeto ECA – Esporte, Cidadania e Ação, explica que o grande diferencial desse esporte é o poder de intervenção no desenvolvimento das competências e habilidades de jovens, testando seus potenciais e dificuldades de forma lúdica.

“Um treino de arremesso e passe, envolve conexão, competência, diversão. O basquete consegue agregar como uma ferramenta de construção integral da criança. Então, se aprende basquete brincando de forma lúdica e prazerosa”, diz Reinaldo.

O educador também acredita que além de abrir os horizontes, o esporte abre portas para o autoconhecimento. “Quanto mais sabemos sobre nós mesmo, mais temos chances de rever nossos conceitos, de melhorar nossas habilidades e capacidades”.  Ou seja, o basquete fortalece jovens além das quadras.

Que o basquete é uma ferramenta poderosa para a educação e para o desenvolvimento humano você já sabe! Por isso, separamos algumas lições que essa modalidade desenvolve nas crianças e adolescentes:

Diversão e aprendizado: Combinação perfeita para amar jogar basquete

O basquete deve ser divertido em todos os níveis, as experiências positivas auxiliam no desenvolvimento e entendimento do jogo, os movimentos, os dribles, os arremessos as atividades em grupo, o auxílio aos colegas, em todas as etapas o jogo tende a ser divertido pela natureza e ação de seus participantes, aliás, quem não gostaria de fazer algo divertido e prazeroso ao longo da vida?

Aprender com as diferenças desde cedo

As crianças e jovens certamente terão muitos desafios dentro e fora de quadra. Em relação com a quadra, a ideia de um ambiente produtivo de aprendizagem é aquela que possamos levar em consideração todas as características que ela traz para o contexto esportivo, principalmente se tratando da faixa etária, da autonomia, da prática esportiva de ambos os gêneros, do conhecimento físico, técnico e tático de cada um. Se o grupo compreender e respeitar o ambiente e os colegas, a experiência com o basquete será muito mais relevante.

Identificar e resolver problemas

O jogo de basquetebol é um jogo de estratégias infinitas! Podemos aprender a resolver os problemas nós mesmos ou em grupo quando levamos para uma discussão de caso. Quando entendemos as nossas necessidades e o que sentimos com a falta ou a realização delas temos maior possibilidade de fazer pedidos assertivos, seja para nós mesmos em relação a nossa paciência, nossa ansiedade ou quando falamos ou nos expressamos para o grupo. As brincadeiras e jogos são importantes para aprender a resolver conflitos. A pessoa que se comunica bem, tem a chance de ter seus pedidos atendidos, exercendo liderança, empatia e conexão.

Autoconhecimento

Tem um ditado que diz: Quer conhecer uma pessoa? Observe ela jogando…

Esse ditado tem muito a ver como nos comportamos em relação aos nossos sucessos e frustrações durante os desafios da quadra e da vida! O fato de jogar basquete auxilia a  formar nosso caráter, a entendermos que  podemos aprender com cada experiência, seja na derrota ou na vitória=

Resiliência

A pessoa que é capaz de transformar dor em força é considerada resiliente. Conhece alguém que mesmo após quedas e mais quedas, desafio após desafio se torna mais forte? No basquete teremos muitos obstáculos a superar – aprender algo novo, conhecer pessoas e locais diferentes, frio na barriga nos primeiros jogos, aquele fundamento que minha mão não dominante resiste aprender, as minhas próprias expectativas e uma série de outros fatores. Quando jogamos basquete podemos colocar o sol que insiste em ficar dentro de nós para fora e transformar dificuldades em oportunidade.            

O ECA que hoje já possui mais de 5 núcleos e atende mais de 600 crianças e adolescentes que residem em locais de alta vulnerabilidade social na região do extremo sul da cidade São Paulo, esse ano também incluirá o basquete em sua rotina de atividades. Nossos professores e educadores vão levar todos esses conhecimentos para nossos beneficiários, dentro e fora das quadras.

Fique atento e nos acompanhe para saber em breve mais sobre essa novidade!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email